PAÇO DO LUMIAR: Prefeita Paula da Pindoba é alvo de seis processos movidos pela Promotoria

Prefeita campeã em Processos Paula Azevedo (PCdoB)

A Prefeita em exercício Paula da Pindoba (PCdoB) de Paço do Lumiar – MA, está sendo alvo de investigação judicial eleitoral movida pela da Promotoria Eleitoral. São exatamente 06 (seis) processos diferentes para apurar vários tipos de possíveis irregularidades. Em um deles, a Promotora NADJA VELOSO CERQUEIRA 93ª Zona eleitoral (Paço), resolveu instaurar o procedimento preparatório eleitoral com base nos arts. 72 a 79 da Lei Complementar ° 75/93 e outros, e no prazo de 60 dias apurar eventual ABUSO DE PODER ECONÔMICO, e elucidar sua autoria no caso.

São várias as acusações que existem ao longo dessa pequena passagem pelo executivo luminense. São contratos visivelmente superfaturados, além de vários autores ligados a prefeita envolvidos em escândalos. Um deles é o pré-candidato Fabio Rondom, citado em um dos inquéritos por estar distribuindo cestas básicas e divulgando em suas redes sociais, aproveitando essa época de pandemia do COVID-19 para se promover e supostamente levar vantagem eleitoral no próximo pleito. Clique no link abaixo para baixar o arquivo em PDF com todas os processos citados.

LEIA A PARTIR DA PÁGINA 8 PARA VISUALIZAR NA ÍNTEGRA OS PROCESSOS

É gritante como a cúpula ligada a prefeita em exercício está com sede nas eleições de 2020 se fazendo presente em vários atos públicos amplamente divulgados em redes sociais doando e se promovendo cestas básicas e outros utensílios de prevenção com dinheiro público, porém, com finalidades eleitorais. Não se visualiza em nenhum momento, a preocupação por parte do executivo em tentar conter o vírus e sim em acalourar a distribuição de recursos federais, estaduais e municipais em contratos duvidosos e distribuição de itens com sua possível promoção e de seus aliados próximos.

Com relação a empresa SELIX AMBIENTAL E CONSTRUÇÕES LTDA, que denunciamos amplamente sobre possível irregularidades, revejam AQUI, por está envolvida em possível prestação de serviços com valores superfaturados na gestão da prefeita Paula Pindoba, também está arrolada em uma das investigações acima citada. Pois, devido o estado de calamidade pública que o município está vivendo, foi contratada com dispensa de licitação e com um valor muito estranho. Sabemos que a contratação por dispensa é regulamentado pelo art. 26 da Lei 8.666/93, porém, ferindo, violando os princípios da legalidade, isonomia, moralidade, eficiência e busca de proposta mais vantajosa para a Administração. Nesse caso específico, a instaurado pela Promotora de Justiça, GABRIELA BRANDÃO DA COSTA TAVERNARD.

Como podem visualizar, são várias as denúncias e uma Justiça incansável pela busca da verdade, empenhados exclusivamente pela moralidade e preocupação com o erário público e com uma população sofrida com o caos administrativo vivido pelos luminenses.

Depois seguimos com mais informações.

 

 

Deixe uma resposta